Polícia Civil investiga morte da estudante Vitória Gabrielly (Foto: Reprodução/TV TEM)
Polícia Civil investiga morte da estudante Vitória Gabrielly (Foto: Reprodução/TV TEM)

O G1 publicou nesta sexta-feira a conclusão do Laudo pericial da menina Vitória Gabrielly. De acordo com as informações oficiais do exame feito a partir do material genético colhido embaixo das unhas da menina, deu positivo para o DNA do principal suspeito, isso prova que o servente de pedreiro Júlio César Lima Ergesse esteve com Vitória Gabrielly  após o desaparecimento.

Vale ressaltar que Júlio César teria dado seis versão diferente para Polícia. O mesmo já se encontra detido. Para se defender, Júlio Cesar diz que esteve apenas dentro do carro com Vitória, e que um casal teria seguido com ela para um local desconhecido.

Já nesta quinta-feira 28 de junho, Júlio César foi indiciado pela Polícia Civil, por homicídio doloso. Ontem sexta-feira (29) o casal apontando por Júlio César foram presos, essa prisão é temporária e a duração é de apenas 30 dias.

Cães são usado para apuração do caso Vitória Gabrielly

Um dos acusados pelo servente Júlio Cesar se deu muito mal, isso porque a Guarda Civil Municipal (GCM) utilizaram Cães farejadores, esses mesmos cães apontaram que Bruno Bruno Marcel de Oliveira, um dos apontados por Júlio Cesar esteve de fato no local onde a menina teria sido encontrada morte.

Em posse dessas informações a foram expedidos um mandado de prisão para Bruno e uma mulher identificada como Mayara Borges de Abrantes.

Além do odor identificado pelo cão, depoimentos contraditórios entres eles reforçaram o pedido de prisão.

Com informações do G1.

Colabore, deixe seu comentário logo abaixo!