Take a fresh look at your lifestyle.

O calor na Europa: Por qual motivo o Brasil também deve se preocupar

Altas temperaturas para os europeus .

Rio de Janeiro, 21 de julho de 2022, por Priscila Lívia — Por que o calor na Europa: Por qual motivo o Brasil também deve se preocupar? Continue lendo e saiba no blog Diário prime o motivo provável dos acontecimentos no continente.

O calor na Europa: Por qual motivo o Brasil também deve se preocupar

Acostumada às temperaturas baixas, a região do oeste europeu vem sendo atingida por ondas intensas de calor, as quais vem ocasionando grandes perturbações para os cidadãos. Além do impacto direto sobre a saúde do indivíduo, há a grande procura por água e energia, e ainda, ocorrências de incêndios difíceis de serem controlados e ainda devastadores.

Este impressionante episódio que a Europa enfrenta, foi relacionado pelo serviço de meteorologia do Reino Unido (Met Office), às mudanças no clima movidas pelo homem. As temperaturas subiram a tal ponto, que na última quarta-feira (20/07), a capital britânica chegou a marcar 40,3 °C, o que resultou no maior número de chamadas de bombeiros desde a Segunda grande guerra.

E o Brasil

Dessa forma esses episódios de calor não estão restritos à Europa. Aqui no Brasil, já houve alguns eventos que podem-se relacionados. Tais como, a tempestade de areia no interior de São Paulo e a grande enchente, do Rio Negro, no Amazonas. De acordo com Alexandre Costa, especialista do clima e docente na Universidade Estadual do Ceará, as chuvas que ocorreram entre maio e junho deste ano, em Pernambuco. Estão provavelmente ligadas às mudanças no clima.

O IPCC (Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas), em um de seus relatórios, assinala que à região semiárida do Brasil, vem sofrendo com secas mais fortes.

Episódios de calor com maior frequência

O calor na Europa é diferente porque é muito quente e seco. Como resultado, nossos corpos perdem mais líquido porque há muito menos vapor de água no ar, então o suor acaba evaporando mais. É aí que entra o problema da desidratação e da insolação, sendo uma das piores coisas, disse o especialista.

Segundo o climatologista, Francisco Eliseu Aquino (Universidade do Rio Grande do Sul, Departamento de Geografia e Centro Polar e Climático). Assim, os episódios de altas temperaturas na parte sul do hemisfério. Então com uma maior frequência e com maior duração e conforme o apontado pelo IPCC. Desse modo o planeta pode-se atingido progressivamente por essas intensas ondas de calor.

Por fim, possível notar o aumento e constância nesses eventos, um episódio de altas temperaturas que caracteristicamente. Ocorria em um intervalo de 10 anos, está com uma frequência cerca de três vezes maior.

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.