Medos e possivéis inseguranças com o corpo

Esses dias me recordei de um pequeno episódio que aconteceu com uma conhecida da família, seu nome era Paula, e ela era tudo o que qualquer adolescente por volta dos 15 ou 16 desejava ser: bem aceita na sociedade, e uma beleza agradável. Entretanto, isso era o que as pessoas enxergavam pelas fotos que Paula publicava em uma das suas redes sociais. Como tinha me lembrado desse caso em específico, resolvi pegar o celular e ligar para ela sabe, puramente com o intuito de jogar conversa fora.

Combinamos de tomar um café em minha casa mesmo, o que era muito mais confortável para ambas. Fazia muito tempo que não encontrava com a Paula, deve ser por isso que quando a vi levei um pequeno susto.  A garota, que agora já era uma adulta de 21 anos estava meio abatida, “- Puro cansaço!” imaginei comigo mesma, fomos ao café, e enquanto ficávamos na cozinha conversando sobre assuntos cotidianos, alheia ao assunto, Paula me olhou com uma expressão de quem iria chorar de desespero. Foi nesse momento em que ela começou a relatar os conflitos que estava enfrentando há quase 4 anos.

Imagem: Reprodução/Google.

“- Eu sinto como se fosse morrer, não consigo comer, não consigo se quer me olhar no espelho e me sentir bonita com absolutamente nada…” dizia Paula em  tom de voz baixo. De fato percebi sua magreza  um pouco exagerada, mas não achei que fosse educado questionar. Ela continuou falando quando exatamente o pesadelo começou, e meu Deus eu estava presente no dia em questão pois era festa de aniversário da avó da Paula, e naquela noite, ninguém observou o fato dela ter saído do quarto um tanto desalinhada. A garota foi relatando que quando iniciou o processe de bulimia, era algo leve, como “Ah, não me acho bonita com tal roupa,” ou “Merda, que droga de cabelo!”

Era evidente que ela estava tendo processos de transtorno alimentar e um nível sério de obsessão em criticar seu corpo. Enquanto Paula ia me contando, eu percebi o quanto a preocupação  com a opinião das outras pessoas a estavam transtornando, e preocupante também. A jovem foi contando tudo o que passou e pelo que passava, estava em um momento de destruição de si mesma e completo desamor,  Paula  tinha conversas sérias consigo mesma falando coisas muito pesadas. Isso é um grave problema, porque a mente é algo tão louco e incrível que grava tudo o que falamos e o que pensamos, e no caso dela, gravava cada ofensa, cada insulto como “Você não é digna de ter essa vida toda ai”, Paula relatou que nesse dia, ela tinha vomitado 4 veze s seguidas e logo depois se olhou no espelho e quebrou o mesmo com uma colher de pau da cozinha.

Depois de ouvir atentamente e, preocupadamente todo aquele relato triste e desesperado de Paula, estendi minha mão para ela, e logo a abracei. “- Você não aceitou esse convite atoa, não foi?”  Perguntei, ela se afastou um pouco com os olhos vermelhos e respondeu:  “Não, não foi. Eu vim aqui porque eu preciso de ajuda.

Imagem: Reprodução/Google.

Três anos depois dessa conversa soube que Paula está recuperada, claro que ela ainda está sob acompanhamento psicológico e toma alguns remédios, entretanto, agora tenho muita felicidade em dizer que a minha amiga Paula está bem, ainda conversa consigo mesma, mas agora o papo é outro: apenas assuntos que ajudaram em sua autoestima, e em seu processo de amor próprio, que não é algo fácil. Você precisa assumir onde está errando, para depois, aceitar que a mudança é necessária, precisa querer mudar. A vontade de vencer é imensamente maior do que o peso que a sociedade, que a comida ou até que o nosso corpo exerce em nós.

Existem diversos meios de ajuda para quem passa por esse tipo de problema, o CVV (Centro de Valorização da Vida) é um deles, mesmo se for apenas para uma conversa ou até para pedir ajuda. (https://www.cvv.org.br/)

Em muitas cidades do Brasil igrejas e ONGs realizam trabalhos parecidos. neste mesmo sentido. Importante estarmos atentos a identificar esses agentes do bem e encaminhar nossos queridos amigos ao tratamento adequado.

 

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.