Publisher Theme
Art is not a luxury, but a necessity.

- Publicidade -

5 contratações não vingaram no futebol brasileiro

Calotes, doenças, mal entendido e confusão: por vários motivos, veja cinco contratações que não vingaram no futebol brasileiro

Recentemente, um tradicional clube do futebol carioca anunciou uma contratação para renovar as esperanças do time. Assim, o América-RJ contratou Givanildo Oliveira, mas ele sequer chegou ao Rio; teve seu contrato suspenso. Então, veja mais sobre este caso e outras contratações que não vingaram no futebol brasileiro.

Leia também: Boca grande e bola fora: veja 6 vacilos de Thiago Neves

Givanildo Oliveira no América-RJ

Anunciado nesta semana para comandar o América-RJ, o treinador pernambucano conhecido como “Rei do Acesso” havia assinado com o tradicional Mecão, na expectativa de dirigir um clube carioca pela primeira vez na sua carreira.

Por outro lado, o sonho do América-RJ se desfez quando um dos familiares de Givanildo foi diagnosticado com Covid-19. Assim, o contrato com o clube carioca foi suspenso e o treinador ficou em isolamento em Pernambuco.

Renato Gaúcho no São Paulo

A Federação Paulista de Futebol (FPF) organizou uma ação promocional com os grandes clubes do estado, onde ajudou captando recursos para a contratação de craques para os gigantes paulistas.

A FPF acordou com o São Paulo que o jogador que o time receberia seria o Renato Gaúcho, craque do tricolor carioca na época. No entanto, Renato Gaúcho só posou para foto com a camisa do tricolor paulista.

Dessa forma, o atacante sequer chegou a realmente vestir a camisa do São Paulo. Com um imbróglio financeiro com o Fluminense, a transação jamais deu certo e o artilheiro não chegou a trocar de tricolor.

Thiago Neves no Palmeiras

Outra das contratações que não vingaram no futebol brasileiro, o Palmeiras tentou contratar Thiago Neves em 2007. Assim, o clube paulista e o meio campista chegaram a assinar um pré-contrato, assegurando a ida do atleta para o clube.

No entanto, o fato jamais se concretizou: Thiago Neves nem chegou a vestir a camisa do Verdão. Dessa forma, o meio campo criou uma confusão entre o Palmeiras e o Fluminense ao assinar também com o tricolor, só que para defender três temporadas.

Assim, o Fluminense ganhou a batalha pelo meio campo e ficou com Thiago Neves entre suas fileiras; já o Palmeiras, jamais viu o atleta vestir o manto do clube.

Veja também: Givanildo no Mecão: 5 fatos sobre o Rei do Acesso

Os gringos que não vingaram no futebol brasileiro

Ramon Díaz no Botafogo

Mais uma das contratações que não vingaram no futebol brasileiro, o treinador argentino Ramon Díaz assinou com o Glorioso para comandar a equipe durante o Brasileirão 2020. No entanto, complicações na saúde de Ramon fizeram com que seu filho assumisse o time interinamente durante seu tratamento.

Dessa forma, Emiliano Díaz comandou o alvinegro carioca na expectativa de que seu pai assumisse o controle em breve. Por outro lado, a recuperação de Ramon Díaz se mostrou lenta e o time não poderia esperar até dezembro, data dada pelos médicos.

Portanto, o Botafogo dispensou pai e filho; que passaram pouco mais de um mês no Rio e não chegaram a vingar no Fogão nesta temporada.

A volta dos que não foram: 5 contratações que não vingaram no futebol brasileiro. Imagem: Reprodução Twitter @alexandrekalil
A volta dos que não foram: 5 contratações que não vingaram no futebol brasileiro. Imagem: Reprodução Twitter @alexandrekalil

Anelka no Atlético Mineiro

Encerrando nossa lista de contratações que não vingaram no futebol brasileiro, trazemos o francês Nicolas Anelka e seu contrato com o Galo mineiro. Dessa forma, o presidente do Atlético na época, Alexrande Kalil, foi às redes sociais anunciar a chegada do atacante na temporada de 2014.

Com passagens em grandes clubes do futebol mundial como Real Madrid, Arsenal e Juventus, Anelka já defendeu inclusive o manto da seleção francesa. Embora empolgado para estrear no futebol brasileiro, Anelka ainda não havia assinado propriamente o contrato. Segundo o francês, estava “95% certo” a sua ida para o Galo.

Dessa forma, os detalhes contratuais foram os 5% que fizeram Anelka não vir para o Brasil. Assim, o atacante francês até quis, mas não chegou a vingar no futebol brasileiro.

Você pode gostar: Mercado da Bola: Liverpool culpa pandemia por falta de reforços

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado.