Coronavac sumiu da maternidade em Belo Horizonte e coloca em cheque a gestão da distribuição do imunizante

A polícia instaurou um inquérito a fim de investigar o caso

0

A PCMG (Polícia Civil de Minas Gerais) instaurou essa semana um inquérito para investigar mais um caso relacionado à vacina contra a Covid-19. A Coronavac sumiu da maternidade localizada na capital mineira, preocupando a população.

Portanto, leia mais: Retirada de órgãos ilegal tem punição mais de 20 anos depois em Minas…

A Administração da Fhemig tomará as providências necessárias junto à Secretaria de Saúde
A Administração da Fhemig tomará as providências necessárias junto à Secretaria de Saúde – Foto: Canva Pro

De acordo com informações dadas pela Fhemig (Fundação Hospitalar do Estado de Minas Gerais), ao todo foram seis doses extraviadas da Odete Valadares. A Coronavac sumiu da maternidade, mas não se sabe ao certo o que houve.

Coronavac sumiu da maternidade colocando em suspeita o gerenciamento da distribuição e aplicação

O inquérito foi instaurado pela Polícia Civil na segunda (25/01). Será feita uma apuração do sumiço das seis doses do imunizante contra o novo Coronavírus. As doses tinham sido distribuídas para a maternidade Odete Valadares, que se localiza no centro de BH, mais especificamente, no Prado.

Ainda de acordo com a Fhemig, quando a Coronavac sumiu da maternidade a direção foi imediatamente notificada.  Assim, tão logo os gestores tomaram conhecimento do ocorrido, registraram um BO (boletim de ocorrência) na polícia.

Dessa forma, puderam dar início à apuração de quem é a responsabilidade.  Encaminhou-se, então, o fato para o Núcleo de Correição.

A Administração da Fhemig tomará as providências necessárias junto à Secretaria de Saúde. Esse é o órgão responsável por distribuir as doses do imunizante na capital mineira.

Coibição das irregularidades deve ser feita

A Fhemig informou que a nova comissão da vacinação está em processo de constituição. Assim, será possível continuar com o plano de imunização dos colaboradores da maternidade.

Dessa forma, confira mais: Tudo aberto: Minas Consciente sofre alterações, mas mortes por causa do…

O que se pretende é integridade e transparência nas ações. Adotou-se, então, medidas severas para coibir o desrespeito e as interferências quanto às estratégias da vacinação.

Determinou-se, através da OGE/MG (Ouvidoria-Geral do Estado) e da CGE/MG (Controladoria-Geral do Estado), que haja garantia rigorosa do cumprimento de todas as regras e critérios da imunização. Isso deve ser feito segundo o Ministério da Saúde.

Abriu-se um canal para denúncias que se relacionam com o processo da vacinação, por exemplo, o descumprimento da prioridade na imunização. Sem contar que o cidadão pode confrontar qualquer ato que julgue inapropriado.

A Odete Valadares disse que a imunização dos colaboradores teve início em 20/01. Dessa forma, até a noite de ontem (28/01) vacinou mais de 670 profissionais.

Até o presente momento recebeu-se 983 doses, e foi desse número que a Coronavac sumiu da maternidade. A 3ª Delegacia é quem está comandando as investigações.

Ademais, veja também: Criminalidade Em Belo Horizonte: Drogas, Armas E Prisões São…

Comentários
Loading...

Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceito Leia Mais

Política de privacidade e cookies