Publisher Theme
Art is not a luxury, but a necessity.

Cartão de Crédito: regras vão mudar para pagamentos de contas do exterior


O Diário Prime News é um blog independente, que não tem vínculo ou associação com nenhum banco, instituição financeira ou órgãos de proteção ao crédito, tais como SPC, Serasa, Boa Vista etc. Em caso de dúvidas fineza fazer contato pelo e-mail [email protected]. Se preferir pode fazer uma pergunta à nossa redação clicando aqui!

Cartão de Crédito – As regras para pagamento das contas do cartão de crédito, quando usado para compras oriundas do exterior, vão mudar.

Segundo o presidente do Banco Central, Ilan Goldfajn, a nova forma  ainda precisa ser regulamentada, mas já anunciou nesta quarta-feira (28), que a taxa de câmbio que os bancos usam, não poderá mais ser a do dia do pagamento da fatura; mas sim, aquela registrada no dia da compra do produto ou serviço pelo consumidor.

Hoje, os bancos cobram a taxa de câmbio vigente no momento que a fatura deve ser paga. Isto é, o consumidor paga referente ao valor da moeda no dia do vencimento de sua fatura, e não referente ao dia da compra de uma suposta mercadoria.

A decisão sobre essa mudança da taxa de câmbio, segundo o ministro, foi aprovada e tomada ontem ( 27).

Já os bancos, por sua vez, vão precisar de algum tempo para se prepararem, e fazerem as alterações nos seus respectivos sistemas de cartões de crédito.

Links para você se atualizar:

Bancos vão ter de fazer as alterações para ajustes

A rigor, o pagamento da fatura com o câmbio do dia,  de cada transação de compra efetuada, só vem sendo praticada no mercado pela Caixa Econômica Federal. Mas desde o final de 2016 já foi autorizada pelo Banco Central.

Contudo, agora, será obrigatório, e todos os bancos vão ter de fazer as devidas alterações para se adaptarem às novas regras.

Na prática, pelas regras atuais, o consumidor pode comprar um produto a certo preço, e, no momento que tiver que pagar a fatura do cartão, pode ser surpreendido com um valor maior, pois a taxa de câmbio acompanha a subida da moeda no período.

Noutras palavras, suponhamos que o consumidor comprou um bem a 3,60 dólares; caso o dólar suba (o que tem acontecido com maior frequência), e chegue, por exemplo, a 3,68 na comparação com nossa moeda, dentro do período entre a compra o e vencimento do cartão,  o consumidor terá de arcar com a diferença.

A desvantagem do modelo atual

É claro que no modelo atual existe uma desvantagem obvia para o consumidor, pois, provavelmente, a transação com o cartão tende a gerar um maior custo para quem o utiliza nestas circunstâncias.

Com a nova regra, o consumidor fica mais protegido, pois não terá surpresa alguma na hora do pagamento da fatura, pois a taxa de câmbio do dia da compra, será também a do dia da quitação do cartão. Muito simples e bem mais fácil de se programar.

Abrindo caminho também para uma saudável concorrência entre as instituições financeiras, para oferecerem taxas melhores e convencerem o consumidor a usarem o seu cartão de crédito.

Cartão de crédito: mudança de regras à vista
Cartão de crédito: mudança de regras à vista

 

Informações mais claras a partir da nova regulamentação

Nessa mesma linha, acrescentou o ministro, que as informações tendem a ser mais claras para o consumidor, com a divulgação do histórico das taxas de conversão da moeda, dentro das próprias faturas.

Então, a partir da nova regulamentação, além dessa identificação da moeda, deverá haver a discriminação de cada gasto efetuado na moeda, com o valor equivalente em reais.

E  não termina aí,  pois os bancos vão ter também de apresentar a  data e o valor da compra equivalente em dólar; se a moeda da compra for outra, euro ou libra esterlina, por exemplo.

Por fim, a taxa do dólar convertida para o real. Sempre buscando o melhor atendimento ao consumidor e mais transparência nas operações.


Para obter mais conteúdos siga o Diário Prime no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!