Publisher Theme
Art is not a luxury, but a necessity.

Não sacar o FGTS é realmente a melhor opção? Entenda

O acesso ao FGTS ficou mais fácil, contudo, sacar o dinheiro pode não ser a melhor opção em alguns casos.


O Diário Prime News é um blog independente, que não tem vínculo ou associação com nenhum banco, instituição financeira ou órgãos de proteção ao crédito, tais como SPC, Serasa, Boa Vista etc. Em caso de dúvidas fineza fazer contato pelo e-mail [email protected]. Se preferir pode fazer uma pergunta à nossa redação clicando aqui!

Sacar o dinheiro do FGTS ou deixar o benefício rendendo no fundo de garantia, qual a melhor opção? Com as novas regras criadas pelo governo, como o saque-aniversário e o saque imediato, o acesso ao FGTS ficou bastante facilitado. Contudo, a decisão de não retirar o dinheiro pode ser a melhor estratégia.

Não sacar o FGTS é a melhor opção? Entenda
Não sacar o FGTS é a melhor opção? Entenda

Entenda as modalidades de saque do FGTS criadas pelo governo

Saque imediato

Os trabalhadores que tiverem saldo em contas ativas (relativa ao emprego atual) e inativas (contas abertas em trabalhos anteriores) poderão sacar até R$ 500 em cada conta do FGTS.

Caso o trabalhador tenha mais de uma conta de FGTS vinculada na Caixa, poderá sacar em cada uma delas R$ 500,00.

O saque é opcional e pode ser feito até março de 2020, entretanto, se o trabalhador decidir por não sacar o benefício, o dinheiro continuará aplicado em seu fundo de garantia.

Os saques serão liberados de setembro deste ano de 2019 até março de 2020.

Saque-aniversário

Essa modalidade vai permitir que o trabalhador possa efetuar saques anuais de uma parte do saldo do seu FGTS.

O saque-aniversário começará a vigorar em 2020 e a escolha é opcional.

O trabalhador que quiser aderir a essa modalidade, precisará informar à Caixa a partir de outubro deste ano.

Contudo, caso ele não informe ao banco, as regras atuais de saque serão mantidas, como, por exemplo, saque para aquisição da casa própria ou aposentadoria.

Optando por esse modalidade, perderá o direito de sacar o saldo total do FGTS, se demitido sem justa causa.

Nessa situação de demissão, ele terá direito somente a multa de 40% sobre o saldo depositado do seu FGTS.

Quando é melhor não sacar o FGTS, segundo especialistas

Trabalhador assalariado

Desde que ele não esteja passando por alguma situação emergencial e que o salário seja suficiente para custear suas despesas mensais, deixar o FGTS aplicado é uma boa estratégia.

Com as novas regras criadas pelo governo, como a distribuição de 100% da rentabilidade do fundo de garantia, o FGTS passou a ser uma aplicação financeira até mais interessante que a poupança.

Para quem é assalariado, mas o dinheiro não sobra no fim do mês para investir, sacar o FGTS só seria indicado para fazer investimentos em renda fixa, como títulos públicos, mas com maior rentabilidade que o FGTS.

Esse tipo de investimento (renda fixa) é muito seguro e tem a possibilidade de saque rápido.

Trabalhador que está em um emprego instável com possibilidade de ser demitido

Nessa situação, onde existe a possibilidade de uma demissão a qualquer momento, optar por permanecer na modalidade atual de saque é a melhor estratégia.

De acordo com a regra do saque-aniversário, se o trabalhador vier a optar por essa modalidade, ele não poderá sacar o saldo total da conta do FGTS.

Sendo assim, os especialistas ponderam que pode ser melhor aguardar a saída da empresa.

Se ocorrer a demissão, o trabalhador poderá retirar todo o dinheiro do Fundo.

Leia ainda:Investimentos: fintech do banco Santander gera pontos que podem virar dinheiro

O FGTS tende a se tornar uma boa opção de investimento

A nova regra de distribuição dos lucros já começa a valer agora em agosto de 2019.

Dessa forma, com a distribuição de 100% dos lucros, certamente, o FGTS será mais vantajoso do que a poupança.

A distribuição de lucros começou a funcionar em 2017, no entanto, o percentual de distribuição de lucros era de 50%.

Embora, mesmo na regra de 50%, em 2018, o rendimento do FGTS já tenha ficado próximo ao da poupança.

Aplicação mais rentável

Com as novas regras de divisão dos lucros, o FGTS pode superar até a renda fixa.

Com efeito o cenário de taxa Selic a 6,5%, a rentabilidade líquida do novo FGTS fica em 6,2% ao ano.

Dessa forma, o segundo melhor investimento seria o Certificado de Depósito Bancário (CDB) com rentabilidade de 104% do CDI. A rentabilidade líquida seria de 5,5%.

Não sacar o Fundo de Garantia pode ser mais rentável do que todas as opções de investimento em renda fixa. Isso considerando até o Tesouro Selic, CDB e fundos DI.

Leia ainda:Banco Inter: investimento permite ganhar dinheiro com cashback

Para obter mais conteúdos siga o Diário Prime no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!