Publisher Theme
Art is not a luxury, but a necessity.

Senado aprova sistema que facilita empréstimo a micro e pequenas empresas


Não perca nenhum conteúdo de nosso Blog. Clique no botão abaixo e fique atualizado!

O Diário Prime News é um blog independente, que não tem vínculo ou associação com nenhum banco, instituição financeira ou órgãos de proteção ao crédito, tais como SPC, Serasa, Boa Vista etc. Em caso de dúvidas fineza fazer contato pelo e-mail [email protected]. Se preferir pode fazer uma pergunta à nossa redação clicando aqui!

Quem tem uma micro ou pequena empresa e deseja contratar um empréstimo deve ficar atento às novidades do governo Bolsonaro. Afinal, seguiu para a sanção do presidente o texto que institui a Sociedade de Garantia Solidária, que vai oferecer uma garantia para obtenção de crédito. Confira!

Senado aprova sistema que facilita empréstimo a micro e pequenas empresas
Senado aprova sistema que facilita empréstimo a micro e pequenas empresas

Senado aprova projeto que pode favorecer obtenção de empréstimo para micro e pequenos empresários

O Senado aprovou, no dia 09 de outubro, por unanimidade (55 votos a 0) um texto com o objetivo de facilitar a liberação de empréstimos para micro e pequenas empresas.

O projeto, que já havia sido sido aprovado pela Câmara em 2015, vai agora à sanção de Jair Bolsonaro.

De acordo com a proposta, a Sociedade de Garantia Solidária (SGS) passará a oferecer a garantia necessária para obtenção de crédito por parte dessas empresas. Ainda segundo o projeto, a SGS dará as garantias aos empréstimos tomados por microempresas que sejam sócias da SGS no regime de sociedade por ações.

Assim, os sócios participantes não poderão ter mais de 10%, cada um, das ações que forem emitidas. Ainda, conforme o projeto, a SGS não poderá ser formada por menos de dez acionistas.

Veja ainda: Empréstimo do Banco Inter oferece taxa de apenas 1% ao mês; conheça

Sócios investidores fortalecem garantia de crédito da SGS

Além dos sócios participantes, a SGS ainda poderá contar com sócios investidores, que colocarão recursos na sociedade, desde que sejam respeitados os limites impostos, que nesse caso, não poderá ultrapassar o limite de 49% do total do capital social.

Além disso, o texto também autoriza o investimento público e os incentivos estatais na SGS, cujas ações serão de livre negociação.

De acordo com a proposta, a SGS poderá exigir taxa de remuneração pela garantia que oferecer e ainda poderá solicitar da empresa tomadora do empréstimo uma contragarantia, (em geral, a contragarantia prevê que o tomador responda com o patrimônio da empresa ou também com o patrimônio pessoal dos sócios em caso de inadimplência).

Entre outros pontos, o texto também permite a oferta de garantia sobre recebíveis. Além disso, determina que a SGS integre o sistema financeiro nacional com regulamentação que deverá ser definida pelo Conselho Monetário Nacional posteriormente.

O texto, de autoria do senador Esperidião Amin (PP-SC), já havia sido discutido na Câmara no ano de 2015, ocasião em que o autor do projeto ainda era deputado federal.

Desta forma, o relator da proposta, o senador Cid Gomes (PDT-CE), relembrou que as microempresas precisam tomar empréstimos com frequência para desenvolverem seus negócios e realizarem suas atividades. Ainda segundo o parlamentar, facilitar o crédito contribui para a economia do país.

“A obtenção de empréstimo, entretanto, é tarefa dificílima muito em razão de a microempresa tomadora do crédito não possuir garantias para ofertar aos credores. Mas, agora esse empecilho deixará de existir. Isso porque o projeto cria o instituto da sociedade de garantia solidária com participação societária tanto das microempresas tomadoras do crédito, quanto dos investidores admitidos em seu quadro social”, afirmou Cid em seu relatório.

Leia também: Empréstimo para MEI: Bradesco oferece microcrédito especial


Para obter mais conteúdos siga o Diário Prime no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!