Jair Bolsonaro pede que esqueçam o PSL

0 103

O presidente Jair Bolsonaro (PSL) fez uma declaração nesta terça-feira (8) que pode ser sinal de uma crise em seu partido. O presidente mostrou sua insatisfação com a legenda e seu presidente. Com efeito, a fala aconteceu em encontro com apoiadores na saída do Palácio do Planalto. Nela,  Bolsonaro recomendou a um seguidor que esquecesse o PSL. Além disso, pediu ao seguidor que não divulgasse o vídeo que gravou ao seu lado, em que exaltava o partido. Ademais, Bolsonaro explicou que o presidente do PSL, deputado Luciano Bivar (PE), está “queimado pra caramba”.

O vídeo de Bolsonaro foi divulgado pelo canal do YouTube Cafezinho com Pimenta. Além disso, está com considerável repercussão em redes sociais. O canal em questão tem transmitido pronunciamentos do presidente na saída do Alvorada.No vídeo, Jair Bolsonaro é abordado por um homem de Recife. Ele se identifica como pré-candidato do PSL. A conversa pode ser vista no vídeo abaixo:

A conversa completa pode ser vista aqui:

Apoiador continuou gravando e exaltando o partido, próximo a Jair Bolsonaro

“Esquece o PSL, tá ok?”, disse Jair Bolsonaro no ouvido do homem. Contudo, o mesmo apoiador continuou a gravar vídeo e a exaltar o PSL. Exaltava, ainda, o presidente da legenda, Luciano Bivar (PSL-PE). “Eu, Bolsonaro e Bivar, junto por um novo Recife”, fala o homem com Bolsonaro ao fundo. Assim sendo, presidente pede para o rapaz não divulgar o vídeo e afirma que Bivar está “queimado pra caramba”. “Cara, não divulga isso, não. O cara está queimado pra caramba lá. Vai queimar o meu filme. Esquece esse cara, esquece o partido”, diz.

Jair Bolsonaro e o presidente do PSL, Luciano Bivar/ Reprodução: Congresso em Foco

Repercussão nas redes

A fala de Jair Bolsonaro tem sido bastante comentada nas redes sociais. Sobretudo dentre seus críticos. A fala tem sido interpretada como sinal de crise interna no partido. Mais que isso, alguns entendem que o presidente pode migrar para outro partido a qualquer momento. Dessa maneira, o PSL é visto como um “partido de aluguel”, como muitas legendas são vistas no Brasil. Bolsonaro tem um vasto histórico de mudanças de partido.

deixe uma resposta

seu endereço de e-mail não será publicado