Diário Prime o portal de notícias de Mato Grosso!

- Publicidade -

Retrospectiva 2018: relembre o relato de uma escrava sexual que chocou mundo


Atenção: Siga o Diário Prime no Google News e assine nosso Canal no You Tube!

O desemprego não é apenas uma novidade no território brasileiro, muitos países sofre desse mal comum, a grande verdade é que na busca de uma oportunidade e até mesmo sobrevivência de vida muita gente acaba optando por uma caminho a qual jamais escolheria.

O Diário Prime preparou essa retrospectiva do ano de 2018 para nossos eleitores, a pauta tem o crédito do site Catraca Livre, e foi publicado originalmente no portal na data 29 de dezembro de 2018.

Retrospetiva 2018
Retrospetiva 2018

O relato de uma brasileira chocou o mundo, ela conta que começou a trabalhar como garota de programa, a mesma foi tentar uma vida melhor na mesma profissão na Suíça, lá ela conheceu o inferno de perto, isso ocorreu nos anos de 1990.

Segundo relatado, a mesma passou dois anos trancada em um minúsculo apartamento, ela afirma ainda que tinha que manter relações sexuais com pelo menos 15 pessoas todos os dias entre homens e mulheres. Confira o relato abaixo:

“Desde meus 17 anos, trabalhei em casas de prostituição de luxo. Eu só saía com homens ricos, como médicos e delegados, e, por isso, consegui fazer um bom pé de meia. Em uma das casas de prostituição em que trabalhei, ouvi de um colega sobre a possibilidade de ser garota de programa na Suíça. Aquilo fez meus olhos brilharem. Ele conhecia a cafetina que importava as meninas –ela é brasileira e, apesar de morar em Lugano, vinha para o Brasil com frequência. Ela comandava o negócio junto com o marido. 

Pensei que seria uma boa ideia, mas mal sabia eu que embarcaria para o inferno. Ele me apresentou a essa mulher, que ficou responsável por cuidar dos trâmites legais até que eu embarcasse. Ela me ajudou a tirar o passaporte e arcou com os custos da viagem.  

Morávamos eu, a cafetina e mais duas garotas de programa em um apartamento pequeno. As portas ficavam trancadas e éramos proibidas de sair; éramos ameaçadas de morte caso tentássemos fugir. Eles diziam: ‘Vamos sumir com o seu corpo’. Pela minha hora, ela cobrava dos clientes 300 francos suíços, só que eu não via a cor do dinheiro. Ela justificava que eu precisava pagar pelos custos da viagem e pelo aluguel do apartamento, que custava 150 francos suíços por dia. Dizia que eu comia e bebia de graça, por isso precisava prestar contas. 

Foi quando me dei conta de que eu havia sido transformada em uma escrava sexual. Eu não tinha vida além daquilo. Não podia sair de casa, mal via a luz do sol. As portas ficavam trancadas. Transava com 15 pessoas por dia, em sua maioria homens, cujos rostos eu, muitas vezes, nem via. Ficava de costas deitada na cama, eles entravam, me penetravam e iam embora. Eu não tinha folga, tinha que transar até quando estava menstruada. Era uma humilhação constante. Dormia no mesmo quarto que as outras meninas, muitas vezes no chão, enquanto elas atendiam.

Fiquei presa por dois anos, vivendo à base de heroína para aguentar aquela vida. Muitos clientes levavam drogas e eu aproveitava. Estava sempre louca, em outra realidade, tentando fugir da minha. Por sorte, nem todos que consumiam o negócio eram pessoas ruins. O pagamento era feito à cafetina antes de os clientes entrarem no quarto, mas alguns deixavam uma caixinha para mim, normalmente 50 francos suíços. Ninguém podia ver, senão eu seria morta. Por isso, guardava o dinheiro em uma camisinha masculina e enfiava na vagina, bem lá no fundo.   

Comecei a perceber que qualquer coisa seria melhor do que aquela vida. Aproveitei a sorte: um dia, a cafetina e o marido saíram e esqueceram a porta destrancada. Não pensei duas vezes: muito drogada, corri para o meio da rua e comecei a gritar pedindo para ser deportada. Não deu outra: a polícia logo me encontrou e, como estava sob efeito de drogas ilícitas, fui mandada de volta para o Brasil. 

É claro que não denunciei essa máfia para a polícia suíça. Se eu denunciasse, eles me matariam, não importa onde. Não dá para mexer com isso.  

Faz 17 anos que estou de volta, mas o trauma ainda é grande. Hoje, trabalho como segurança em uma balada LGBT. No entanto, continuei me prostituindo por bastante tempo. Com o dinheiro, paguei um curso técnico –me formei em prótese dentária pelo Senac, fiz outros cursos de gestão e, no ano que vem, quero fazer faculdade de psicologia. Mas, antes, preciso entender e aceitar meus traumas, que não são só esses.  

Nasci em uma família muito pobre. Meus pais, eu e mais quatro irmãos morávamos em um barraco em Capela do Socorro, no subúrbio paulistano. Minha mãe não trabalhava, meu pai era alcoólatra e fazia alguns bicos como pedreiro. Passei minha infância andando por bairros de classe alta de São Paulo pedindo comida e roupas. Quando alguma família robusta doava roupas velhas dos filhos, me sentia no momento mais feliz da minha vida.  

Até que minha mãe decidiu que seria melhor se tivéssemos outra vida. Uma das minhas irmãs morreu afogada ainda bebê; outra foi vendida para uma família pelo equivalente a R$ 10 mil nos anos 1980. Eu e os outros dois fomos doados para famílias diferentes. Fui criada por um grupo de pessoas desajustadas, fui abusada sexualmente e judiada durante a infância.  

Cheguei na casa dessa família rica com dez anos para ser empregada doméstica em troca de estudos, mas só me mantiveram na escola até a sexta série. Lá, moravam um casal sem filhos, os pais e irmãos da mulher. Eram oito pessoas no total em uma casa grande, que eu tinha que limpar sozinha.  

A mulher, que seria minha ‘mãe’, era alcoólatra. Ela foi um pesadelo na minha vida. Uma vez, estávamos em uma festa infantil e eu pedi um copo de refrigerante. No dia seguinte, ela me fez tomar dois litros de guaraná de uma vez na frente de todos os parentes que estavam em casa. Eles riram e eu passei muito mal. Quando fiz xixi na cama, ela me puniu: raspou minha cabeça e me fez desfilar de cueca para os vizinhos verem. Parecia que ela tinha enfiado uma faca no meu peito, foi uma dor absurda. Raspar o cabelo de uma criança é muita crueldade.  

Certa vez, disse a ela estava com coceira na vagina, eu tinha uns 12 anos. Bêbada, ela gritou que ‘provavelmente você já aprontou por aí’, me deitou na cama e enfiou o dedo em mim. Eu chorei copiosamente. Ela era uma pessoa ruim. Quando completei 17 anos, fugi de casa. Dormi na rua por três dias, fui abusada sexualmente sem nunca ter tido contato com sexo. Foi quando decidi procurar uma casa de prostituição para ter onde dormir e comer. Foi melhor do que a vida na casa daquela família 

Hoje, faço terapia e quero ajudar as pessoas. A vida só começou para mim”.

Para obter mais conteúdos siga o Diário Prime no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!



Este site usa cookies para melhorar sua experiência. Vamos supor que você está bem com isso, mas você pode optar por sair, se desejar. Aceito Leia Mais