Publisher Theme
Art is not a luxury, but a necessity.

Quem foi Gaétan Dugas, considerado o”paciente zero” da AIDS nos EUA

Confusão fez com que norte-americano fosse difamado a partir dos anos 80 por disseminar vírus HIV

0

Por muito tempo, o senso comum creditou ao piloto da Air-Canada, Gaétan Dugas,
o título de “paciente 0”. Na década de 1980, com a expansão da aids nos Estados
Unidos, Dugas foi considerado o responsável por disseminar o vírus pelo país.
Gaétan foi diagnosticado em o vírus HIV em 1980.

Ao saber da infecção, ele passou
a se cuidar e realizar atividades físicas, como correr na esteira. Especialistas do
SaúdeLab afirmam que a prática melhora a saúde, além de ser mais seguro do que
correr na rua, por exemplo, onde buracos na via podem causar uma lesão. As
Atividades físicas ajudaram o co-piloto a sobreviver por mais quatro anos, até os 31,
quando faleceu em decorrência de uma insuficiência renal.

Gaétan Dugas foi denominado “paciente zero” por um mal-entendido. Segundo o
site da BBC, “o erro se originou de um mal-entendido que confundiu a letra O com o
numeral zero. Um “paciente ó” era alguém infectado com vírus HIV de fora do
Estado da Califórnia (“out-of-California”, na sigla em inglês utilizada pela entidade
Centros de Controle da Doença dos EUA)”.

Durante muitos anos, o fato de Gaétan trabalhar em países da África e uma
reportagem publicada pelo jornalista norte-americano Randy Shilts contando a
história do copiloto fomentaram a ideia de que ele era o primeiro paciente com o
vírus. Mas exames feitos em pacientes infectados em 1978 e 1979 mostravam que
eles manifestaram a doença no início da década de 70.

Um estudo realizado pela Universidade do Arizona, nos Estados Unidos, analisou
amostras de sangues de pacientes que apresentaram sinais de infecção e doenças
semelhantes ao que a aids manifesta.

O mapeamento de quase 2 mil amostras de sangue possibilitou aos investigadores
entender a história do vírus nos Estados Unidos. “As amostras apresentam tamanha
diversidade genética que não é possível que elas tenham origem no final da década
de 1970.

Podemos considerar as datas mais precisas sobre a origem da epidemia
nos Estados Unidos por volta de 1970 e 1971”, disse Michael Worobey, um dos
pesquisadores.
Um outro estudo, este realizado na Universidade de Nova Iorque, identificou os
pontos de disseminação do vírus. De acordo com o relatório, a cidade de Kinshasa,
na República Democrática do Congo, foi indicada como a cidade em que a
pandemia mundial teve início. Dali, expandiu-se para o Caribe e os Estados Unidos
por volta de 1970.

Professor da Universidade de Oxford, Oliver Pybu afirmou ser “lamentável que
Dugas tenha sido identificado desta maneira”, referindo-se ao “Paciente 0”.
Richard Mckay, cientista da Universidade de Cambridge, concorda com a análise.
“Gaetan Dugas foi um dos pacientes mais demonizados da história e um dos muitos
indivíduos e grupos apontados como responsáveis por espalhar a epidemia
intencionalmente”. disse à BBC.

Segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU), 1,7 milhão de pessoas
foram infectadas pela aids no ano passado. Segundo o Ministério da Saúde, estima-
se que 866 mil pessoas vivem com o HIV no Brasil. A taxa de detecção de casos de
aids está em torno de 18,3 casos a cada 100 mil habitantes, o que representa 40,9
mil casos novos, em média, nos últimos cinco anos.