Publisher Theme
Art is not a luxury, but a necessity.

- Publicidade -

Golpe do boleto bancário cresce 63,6% em 2019

Saiba como se proteger virtualmente na hora de pagar suas contas


Não perca nenhum conteúdo de nosso Blog. Clique no botão abaixo e fique atualizado!

Atenção: Siga o Diário Prime no Google News e assine nosso Canal no You Tube!

Atualmente, uma das formas de pagamento mais utilizada pelas pessoas é o boleto bancário. Por ser prático e de fácil acesso, muitos optam por pagar contas dessa maneira. Mas o que parece ser simples e seguro, pode tornar-se um problema.

O golpe do boleto falso, cada vez mais comum na internet, consiste na adulteração de dados bancários ou código de barras, em que o valor pago não é direcionado para o credor, mas sim para um destinatário desconhecido. Esse tipo de fraude acontece principalmente por meio de emissão de vias em sites, e-mail e WhatsApp.

Após realizar o pagamento, o consumidor recebe mensagens de cobranças referente ao boleto emitido, que já teria sido pago, e então percebe que foi vítima de um golpe. Não é incomum encontrar alguém que já tenha passado por isso ou que quase caiu na armadilha. Segundo o Reclame Aqui, o número de queixas desse tipo aumentou 63,6% neste ano.

Na hora de pagar uma conta é importante certificar-se da procedência do site, origem do e-mail e dados do código de barra. Empresas só enviam a segunda via quando o documento é solicitado pelo cliente, caso contrário, desconfie.

O que fazer se cair no golpe?

O Idec (Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor) orienta o cliente a procurar, primeiramente, a empresa prestadora do serviço ou o banco envolvido na fraude para obter reembolso. Além disso, também é importante tirar cópias do boleto, comprovante de pagamento e ir até a delegacia registrar boletim de ocorrência.

Como não cair?

A Acordo Certo, empresa de renegociação de dívidas online, recomenda que as pessoas prestem atenção no valor do boleto, código de barras, dados do beneficiário e se há erros de português ou formatação no boleto gerado. Os primeiros dígitos da linha devem coincidir com o número do banco, e os últimos com o valor do documento (essa regra é válida apenas para boletos bancários). Além disso, é importante identificar se o site possui o Certificado Digital SSL, assegurando que as informações de domínio estão protegidas.

Para obter mais conteúdos siga o Diário Prime no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!