Publisher Theme
Art is not a luxury, but a necessity.

- Publicidade -

Cinco motivos para investir em uma franquia de moda infantil

Com o "empoderamento" das crianças na decisão da compra, marcas consolidadas, atrativas e conectadas com os anseios de cada idade têm maiores chances de sucesso no mercado


Não perca nenhum conteúdo de nosso Blog. Clique no botão abaixo e fique atualizado!

Atenção: Siga o Diário Prime no Google News e assine nosso Canal no You Tube!

A redução de vagas no mercado de trabalho tem feito muita gente esticar o olhar para o empreendedorismo. E, para os marinheiros de primeira viagem, as franquias surgem no horizonte como um porto mais seguro do que os empreendimentos tradicionais.

Nesse tipo de negócio, a moda infantil está em destaque, vivendo um momento promissor. “O setor de moda infantil foi um dos mais afetados com a crise desde 2015, mas em 2017 começou a recuperação, o que ficou consolidado em 2018”, avalia Deborah Lima Machado, consultora sênior de negócios da Goakira, consultoria empresarial especializada em franquias e varejo. “Para 2019 e 2020, as perspectivas de negócio são muito boas.”

Segundo dados da Associação Brasileira de Indústria Têxtil e Confecção (Abit), o segmento de roupas infantis cresce, em média, 6% ao ano. Parte desse desempenho se explica pela necessidade constante que os pais têm de renovar o guarda-roupa das crianças. Afinal, elas crescem rapidamente, e as peças deixam de servir.

Outro fator a ser considerado é a mudança de comportamento das crianças, que participam do processo de compra ativamente. Por isso, as coleções precisam ser atrativas e conectadas com os anseios de cada idade. “Hoje, a escolha das roupas não é mais uma tarefa exclusiva das mães. Com o acesso cada vez mais cedo à internet e, principalmente, com a era dos youtubers, as crianças já sabem o que querem”, diz Deborah. “Esse fato pode, e muito, fazer com que os investidores que estão antenados com essa vertente se destaquem frente aos demais, pois o público mudou.”

Conforme a consultora, a missão da indústria e do comércio de moda infantil hoje não é mais encantar as mães e os pais, mas sim as crianças. “Que mãe não cede à escolha de um vestido para filha ou de uma jaqueta estilosa para o filho?”, analisa Deborah. “É bem comum observarmos esse comportamento em lojas de vestuário infantil. As vendedoras falam com as crianças diretamente e, por óbvio, aquela marca que entende o que a criança deseja tende a ter melhores resultados”.

No mercado desde 1985, o Grupo Kyly apostou em 2010 em lojas próprias da marca Milon e em 2017 entrou no mercado de franquias. O foco dos produtos é o público de zero a 14 anos, e as coleções, tanto masculina quanto feminina, mesclam o estilo clássico e o contemporâneo com inspiração francesa.

Para obter mais conteúdos siga o Diário Prime no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!