Militares israelenses fazem compras no Shopping Cidade e no Mercado Central de BH

0
264
Os israelenses passaram, rapidamente, pelo Mercado Central (foto: Edésio Costa/EM/D.A PRESS)

Israelenses, que vieram para auxiliar no resgate de sobreviventes e localização de vítimas do rompimento da barragem da Mina do Córrego do Feijão, em Brumadinho, estiveram no Shopping Cidade e no Mercado Central, no Centro em Belo Horizonte onde fizeram compras, na manhã desta quinta-feira (31), antes de retornarem à Israel.

Com blusa preta, calça cáqui e botas, os militares interagiram com os vendedores, que se empenharam em atendê-los bem, em retribuição à atuação em Brumadinho. “Depois que eles chegaram, conseguiram encontrar mais corpos. Eles vieram com sondas para ajudar na localização”, afirmou a funcionária do McDonald’s  Isabella Fidélis, que atendeu um soldado israelense no Shopping Cidade.

Israelenses chamaram atenção de clientes nas lojas onde foram (foto: Edésio Costa/EM/D.A PRESS)
Israelenses chamaram atenção de clientes nas lojas onde foram
(foto: Edésio Costa/EM/D.A PRESS)

Entre os itens da compra estão uma caneca Harry Potter da Casa Grifinória e um unicórnio de pelúcia com o escrito “believe”, que, em inglês, quer dizer “acredite”.

Com dupla nacionalidade  a tenente Amit Levi, de 21 anos, jantou nesta quarta-feira (30) com os avós, tios e primas que vieram do Rio de Janeiro para encontrá-la. “Minha neta adora o Brasil. Ela é tenente com curso de salvamento, fala português e tem apenas 21 anos”, disse Adolpho Tuchman sobre a neta.

A tenente Amit Levi e o avô Adolpho Tuchman (foto: Márcia Maria Cruz/EM/D.A PRESS)
A tenente Amit Levi e o avô Adolpho Tuchman
(foto: Márcia Maria Cruz/EM/D.A PRESS)

Retorno a Israel

Os motivos da antecipação da volta para Israel, que aconteceria apenas na sexta-feira (1º), estariam relacionados a uma questão logística, pelo tempo de viagem entre os países. Brasil e Israel iniciaram uma ampliação de suas ligações diplomáticas após o início do governo de Jair Bolsonaro na presidência da República.

O representante do Ministério de Relações Exteriores de Israel, o embaixador Raphael Singer, elogiou a atuação dos bombeiros de Minas. Ele reforçou que a tropa atuou em conjunto com os brasileiros e que colocaram à disposição não só a tecnologia, mas a maneira como propõem a intervenção em locais de catástrofes.

“Usamos capacidades especiais em termos de resgates  em situação de guerra, terrorismo, depois experiência aplicadas para terremotos, tsunami. Tudo isso gerou tradição de Israel de prestar esse tipo de  experiência para outros países, países amigos”, afirmou.

O embaixador afirmou que entende que a tropa tinha consciência de que se tratava de situações distintas, mas reforçou que os desastres são sempre diferentes, portanto, desafio que requer planejamento.

Links que vão interessar também:

“Estava  no avião, nas 14 horas de voo, tomando pé da situação. O que podemos fazer? Como vamos aplicar? Pensando soluções criativas. Obviamente sem saber a situação de verdade. Quando chegamos foi uma bomba assim. Foi uma mega boom”, afirmou.

Ressaltou como a tecnologia trazida contribuiu para ajudar na localização de sobreviventes que estavam na lista de desaparecidos. “Estava lá, quando descobriram telefone de uma vítima, mas obviamente, pouco antes do desastre. Havia sido registrado como desaparecido. Mas ele estava vivo. Isso ajudou para tirar da lista de desaparecidos.”

Com informações do Jornal Estado de Minas

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here