MEI: maioria ganha até R$ 5.225 e trabalha em casa, indica perfil do Sebrae

0
617
MEI: maioria ganha até 5 salários e trabalha em casa, indica perfil do Sebrae
MEI: maioria ganha até 5 salários e trabalha em casa, indica perfil do Sebrae

A categoria de MEI no país já passa dos 9,6 milhões, tendo crescido significativamente nos últimos 5 anos, segundo dados do Portal Empreendedor do Governo Federal.

Além disso, para muitas pessoas, abrir um pequeno negócio foi a alternativa ao desemprego e, em muitos casos, tem trazido resultados mais satisfatórios do que o antigo emprego de carteira assinada.

Confira as principais vantagens em ser MEI, o perfil do empreendedor e algumas das atividades que estão em maior destaque.

Leia ainda:

MEI: maioria ganha até 5 salários e trabalha em casa, indica perfil do Sebrae
MEI: maioria ganha até 5 salários e trabalha em casa, indica perfil do Sebrae

Abrir um MEI tem se tornado uma alternativa rentável para quem deseja formalizar um negócio

O intuito do programa, iniciado em 2009, foi de promover a formalização de pequenos negócios e, também, de trabalhadores autônomos a um custo baixo; principalmente quanto a impostos.

Desse modo, a crise econômica, no qual o país vem passando, fez com que muitas pessoas vissem na possibilidade de abrir um pequeno negócio, na categoria de MEI, uma alternativa ao desemprego e para muitos outros, uma possibilidade de garantir uma renda extra.

De acordo com o Perfil do MEI, levantado pelo Sebrae, os números mostram que a atividade empreendedora tem sido positiva:

  • Para 52% dos MEIs, a renda é de dois a cinco salários mínimos;
  • 32% ganham mais de cinco salários mínimos, enquanto 15% ganham até dois salários.

Outro dado interessante diz respeito à satisfação do microempreendedor, já que para 71%, a formalização ajudou a vender mais. Vale destacar também que 78% dos atuais MEI recomendariam o registro a amigos e parentes.

Quanto ao local de trabalho, 40% deles trabalham em casa, certamente, uma comodidade; enquanto 28% em um estabelecimento comercial e 11% exercem a atividade nas ruas.

Além disso, 48% dos MEI vendem para empresas e 72% conseguiram melhores condições de compras; inclusive, até mesmo a aquisição de um veículo é mais vantajosa para o MEI e você pode saber mais nessa matéria:

Isso tem contribuído, certamente, para o aumento do número recorde de trabalhadores por conta própria, categoria que inclui os MEI’s.

Os trabalhadores por conta própria atingiram o maior patamar, desde que esse levantamento começou a ser feito pelo IBGE: 24,2 milhões de pessoas. Contudo, boa parte deles ainda se encontra na informalidade.

Ranking com as oito primeiras atividades como MEI

De acordo com o Sebrae, as atividades que mais crescem são relacionadas a vendas, serviços de beleza, domésticos e pequenos reparos.

  1. Promoção de vendas
  2. Serviços de beleza
  3. Trabalhos domésticos
  4. Atividades de apoio administrativo
  5. Serviços de entrega rápida
  6. Obras de alvenaria
  7. Atividades de ensino
  8. Treinamento em desenvolvimento profissional

O cadastro do MEI permite mais de 500 atividades e o empreendedor, além de cadastrar a atividade principal, ainda pode registrar mais de 15 ocupações secundárias.

Custos e vantagens de ser MEI

Pelas regras do programa, podem ser MEI negócios que faturam até R$ 81 mil por ano (ou R$ 6,7 mil por mês) e têm no máximo um funcionário.

O registro de MEI permite ao microempreendedor ter CNPJ, a emissão de notas fiscais e o aluguel de máquinas de cartão.

Além disso, garante o acesso a direitos e benefícios previdenciários, já que pagando a mensalidade em dia, o empreendedor tem direito à aposentadoria por idade ou invalidez, além de benefícios como auxílio-doença e salário-maternidade para as mulheres.

Custo mensal

Com o reajuste do salário mínimo, o valor da contribuição mensal do MEI também mudou.

Em 2020, a taxa mensal obrigatória é de R$ 51,95 ou R$ 52,95 (comércio ou indústria, dependendo da necessidade de o MEI pagar ou não a taxa de ICMS), R$ 56,95 (prestação de serviços) ou R$ 57,95 (comércio e serviços ou indústria e serviços juntos).

Acesso a empréstimos

Uma outra vantagem de quem é MEI é o fato das instituições financeiras oferecerem programas específicos de crédito.

Além de juros mais baixos que a média praticada no mercado, as condições de pagamento, com período de carência (prazo para que o empresário comece a pagar) e prazos estendidos, acabam sendo uma vantagem estratégica para quem está começando um negócio.

O Banco do Brasil e a Caixa Econômica Federal oferecem boas opções, como:

Abrir um MEI tem sido uma alternativa ao desemprego, principalmente entre a população acima dos 40 anos

O registro como microempreendedor tem sido uma opção para as camadas mais jovens.

A concentração de MEI’s segue a seguinte configuração:

  • na faixa dos 30 aos 39 anos (31%), ou 31% do total;
  • enquanto 28% tem idade entre 40 e 49 anos;
  • 26% mais de 50 anos;
  • 15% dos microempreendedores tem idade de 29 anos ou menos.

Inclusive, segundo o economista Fabrício Fernandes, da NPM Projects (empresa de Gerenciamento de Projetos), com um pouco de orientação técnica, quanto a planejamento, gestão e qualificação profissional, é possível que um MEI consiga obter, num curto prazo, retorno financeiro melhor do que o antigo emprego de carteira assinada.

“Grande parte da população brasileira ganha apenas o salário mínimo. Como MEI, a pessoa pode utilizar melhor o seu tempo e sua força de trabalho passando a ganhar pela sua produtividade, seja prestando um serviço onde ele ganha por cada entrega realizada ou em uma pequena barbearia sendo remunerada por produtividade, ao invés de vender horas num trabalho tradicional onde, certamente, vai ganhar somente o previsto na carteira”, assegura o economista.

Sebrae: quantidade de MEI’s continuará a crescer

De acordo com Alexandre Lima, especialista em gestão estratégica do Sebrae, “O desemprego teve uma elevação e o MEI é uma opção para aqueles que acabaram sendo desligados do trabalho, mas pode funcionar também como uma porta para o primeiro emprego e para uma atividade empreendedora”.

O especialista ainda prossegue:

“A economia informal ainda é muito grande. Dentro do universo de trabalhadores por conta própria, muitos ainda não possuem CNPJ. Então a quantidade de MEIs deve continuar nesse ritmo forte de crescimento nos próximos anos“, destaca.

Leia ainda:

Empréstimo para empreender: formalização como MEI é importante passo

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here