Mais Lidas

Todo mundo comentando

Operação Sofisma: Polícia Civil de Goiás investiga contratos do Governo de Marconi Perillo

A Polícia Civil de Goiás deflagrou na manhã dessa quinta-feira (23) a Operação Sofisma. Com ela, supostos atos de corrupção do Governo de Marconi Perillo estão sendo apurados. Após levantamento de provas e investigações sigilosas, este foi o dia de efetuar buscas e apreensões nos endereços dos investigados. Os investigados alegam inocência e dizem não ter conhecimento dos fatos de que são acusados.

A Operação Sofisma está investigando contratos de publicidade do antigo governo de Goiás. A suspeita da Polícia Civil de Goiás é de que os contratos eram superfaturados. No radar das investigações está a maneira como era feita a licitação, a contratação e a execução dos serviços. Ou seja, há possibilidade de ser descoberto que os atos de corrupção aconteciam do início ao fim da vigência dos contratos.

Confira: Ronaldo Caiado agradece ao Deputado Major Vitor Hugo por destinação de emenda para UTI Pediátrica do CRER.

Os contratos superfaturados entre AGECOM, DETRAN – GO e outros órgãos do Governo

A primeira linha de investigação é sobre os contratos de publicidade. Estes eram executados pela então AGECOM (Agência de Comunicações), DETRAN e outros órgãos do Estado com agências de publicidade. Segundo as investigações preliminares, eram feitos contratos superfaturados para lavagem de dinheiro. E um dos objetivos era que essas agências fizessem propagandas positivas do então Governo de Goiás.

O sistema, conforme a Polícia Civil de Goiás, era simples. Agências pré-determinadas venciam as licitações e combinavam com o governo o que deveriam veicular de positivo sobre a administração. Dessa forma tinha início o golpe. A agência recebia valores acima aos de sua tabela para dizer somente o que interessava ao governo. Assim difundiam na mídia inverdades sobre os feitos do governo de Marconi Perillo.

De maneira geral, as campanhas educativas dos órgãos do Estado eram, na verdade, noticiários de cunho político. Somente os que interessava ai governo de fato importava para as agências. Estas, de acordo com a Operação Sofisma, eram subservientes ao governo e não faziam prestação de serviço ao cidadão.

Reprodução de Imagem do Facebook de Polícia Civil do Estado de Goiás/ Operação Sofisma
Reprodução de Imagem do Facebook de Polícia Civil do Estado de Goiás/ Operação Sofisma

Veja: Para Rodrigo Maia, a extinção do Ministério da Segurança Pública foi um erro do Governo Bolsonaro.

Perseguição aos inimigos políticos

Outro ponto crítico desvendado pela Operação Sofisma é o uso das agências de publicidade para atacar os inimigos políticos do governo. De acordo com as investigações isso também fazia parte do acordo. Ou seja, essas agências se incumbiam de elogiar o governo e atacar seus adversários. Tratava-se, novamente, de ação política paga com dinheiro público.

A população goiana acompanha mais um dos escândalos de corrupção do governo de Marconi Perillo. E aguarda ansiosamente que as providências cabíveis sejam tomadas para que os responsáveis sejam exemplarmente punidos.

Leia: Maguito Vilela cada vez mais próximo da Prefeitura de Goiânia.

Para obter mais conteúdos siga o Diário Prime no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!