Mais Lidas

Todo mundo comentando

Vereador do PSOL aprova moção de louvor a Kim Jong-un

Não perca nenhum conteúdo de nosso Blog. Clique no botão abaixo e fique atualizado!

O vereador do PSOL (RJ), Leonel Brizola, aprovou na Câmara de Municipal de Vereadores, nesta quinta-feira (12), uma moção de louvor e reconhecimento a República Popular da Democrática da Coreia, na pessoa do ditador Kim Jong-un. A honraria dada pela casa legislativa do Rio de Janeiro gerou críticas e repercussões durante todo o dia.

As moções e honrarias dadas pelas casas legislativas em todo Brasil geralmente são de pouca ou nenhuma importância. No entanto, nesta quinta-feira, a moção nº 15902/2019 causou ruídos no ambiente político.

Na ementa proposta pelo deputado Leonel Brizola-PSOL/RJ, é requerida uma moção de louvor e reconhecimento a Coreia do Norte, trazendo as seguintes causas:

Confira: Novo marco do saneamento básico é aprovado na Câmara

Moção Nº 15902/2019. Imagem: Reprodução/Câmara dos Vereadores RJ
Moção Nº 15902/2019. Imagem: Reprodução/Câmara dos Vereadores RJ

Por todo o esforço de seu povo e de seu máximo dirigente, excelentíssimo senhor Kim Jong-un, na luta pela reunificação da Coreia e a necessária busca pela paz mundial.

Moção Nº 15902/2019 – Autoria: Vereador Leonel Brizola Neto | PSOL-RJ

Críticas e repercussão

A aprovação da honraria gerou críticas tanto de opositores, como de aliados. De acordo com políticos do PSOL, a postura de Brizola não os representava. Confira abaixo alguns dos posicionamentos, pelo Twitter:

Já o filho do presidente Jair Bolsonaro e também vereador Carlos Bolsonaro-PSC/RJ ironizou a honraria. Segundo o parlamentar, a ação do deputado “não é nada anormal”.

Veja também: Bolsonaro – “Na Venezuela nem tem mais carne de cachorro para comer”

A honraria da direita

Nas últimas semanas, o deputado Frederico D’Ávila PSL-SP, da Alesp (Assembleia Legislativa do Estado de São Paulo), protagonizou um momento parecido. O deputado propôs uma homenagem ao ditador chileno Augusto Pinochet, no dia internacional dos direitos humanos (11/12). Devido a repercussão negativa, o presidente da Alesp cancelou o ato, que não chegou a ser realizado.

Você também pode gostar: MP do COAF não é votada e pode caducar


Para obter mais conteúdos siga o Diário Prime no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!