Publisher Theme
Art is not a luxury, but a necessity.

Piramide Financeira: EUA quer condenar sócio da Telexfree

O sócio da empresa de piramide financeira perdeu a nacionalidade brasileira e é procurado pelos EUA.


Carlos Natanael Wanzeler, é um dos sócios da pirâmide financeira Telexfree. Agora o faraó que lesou milhares de pessoas passa por uma situação nada confortável por causa dos seus crimes cometidos.

Isso porque o líder do esquema de pirâmide financeira Telexfree tem um mandato de prisão nos EUA e o país pediu a deportação do mesmo. Assim o STF julgou o pedido dos norte-americanos.

Veja mais: Pirâmide Financeira: esquema do PCC é comparada com Pirâmide FinanceiraPiramide Financeira: EUA quer condenar sócio da Telexfree

Piramide Financeira: EUA quer condenar sócio da Telexfree

Líder da pirâmide financeira não é mais brasileiro

No dia 18/2, uma terça-feira, o STF estava decidindo se retirava ou não o título de cidadão brasileiro de Wanzeler. Assim, por 2 votos a favor e 1 voto contra, a cidadania brasileira do piramideiro foi retira.

Agora que o Wanzeler não é mais cidadão brasileiro, STF está analisando o pedido de extradição feito pelos EUA para quê ele responda pelos crimes cometidos, lá. No entanto, ainda não a data para o julgamento da sua extradição.

Os Ministros decidiram por tirar a nacionalidade brasileira do piramideiro, pelo fato dele ter adquirido cidadania americana. Assim, de acordo com a constituição nacional, aquele que pedir outra nacionalidade, perde automaticamente a brasileira.

Entretanto, existem as exceções. Podem ter duas nacionalidades aqueles que possuem país estrangeiros ou por imposição da naturalização para que se permaneça no país.

O cabeça do esquema de pirâmide financeira até tentou se beneficiar destas exceções, alegando que se naturalizou para que pudesse fica junto a sua família que morava no EUA. Mas os Ministros não aceitaram as justificativas.

- Advertisement -

Abrindo novas empresas no Brasil

Carlo Costa, que é um dos sócios da pirâmide financeira Telexfree havia sido preso preventivamente em dezembro do ano passado por ocultação de valores da empresa fraudulenta.
Foi preso juntamente com Carlos Costa, o seu sócio na Telexfree Carlos Wanzeler. De acordo com a PF, os dois sócios esconderam dinheiro que pertencia a Telexfree e investiram em imóveis. Agora são alugados para gerar renda aos faraós.
Agora, 1 mês depois deste ocorrido o Carlos Costa, aparece como CEO da Pitz e convida clientes para se juntarem ao negócio.

A proposta da Telexfree agora é renda extra através de consumo diário. Segundo o OUL a empresa apresentou um laudo comprovando que teoricamente não tem nenhuma ligação com a pirâmide financeira Telexfree.

Você vai gostar: Mercado bitcoin: Minecraft abraça o bitcoin

Funcionamento da Pipz

A empresa não sabe ao certo o que ela é. Assim, ela se declara como uma mistura entre:

  • MMN
  • Clube de descontos
  • Clube de compras

A empresa está no mercado a 2 anos e de acordo com eles, o cliente tem duas opções de utilizar os serviços da empresa.

  1. Plano Gratuito: O cliente se inscreve em um programa de fidelidade e toda compra realizada em loja parceira, marca ponto. Segundo a própria Pipz, cada R$ 1 equivale a 1 ponto ou mais pontos.
    Depois, todos os pontos podem ser trocados por descontos em lojas parceiras ou por dinheiro na conta ( Mas precisam atingir uma pontuação específica para isso).
  2. Plano de assinatura: O cliente paga uma assinatura para a empresa e com isso tem direito a ganhar pontos e dinheiro através dos produtos da Pipz.
    Mas, para fazer parte da plataforma o cliente precisará desembolsar R$ 600,00 em preço promocional e R$ 1.000,00 no valor cheio. Depois paga mensalmente uma mensalidade de R$ 49,00.

Veja também: Pirâmide Financeira: Chefe do maior esquema do Mundo, envia pedido para Donald Trump reduzir sua condenação


Para obter mais conteúdos siga o Diário Prime no Google News. Quer se avisado de graça sobre os melhores conteúdos em primeira mão? Receba Nossas Notificações Aqui!