Publisher Theme
Art is not a luxury, but a necessity.

Caio Fábio faz post polêmico contra uso das armas de fogo

O ex-pastor presbiteriano Caio Fábio, fez em suas redes sociais uma postagem ridicularizando o uso das armas de fogo como elemento de proteção em sociedade.

Caio Fábio, que nos anos 1980 chegou a participar ativamente  de uma  campanha  de desarmamento da população, na qual inúmeras armas de fogo foram recolhidas junto à população do Rio de Janeiro, hoje se posiciona de forma absolutamente contrária a um nova lei que facilite o uso e o porte de armas de fogo por civis.

Em sua postagem, Caio Fábio faz um link entre a necessidade do uso de armas de fogo e uma espécie de compensação por alguma disfunção sexual.

A publicação desagradou a vários seguidores que se manifestaram fortemente em suas redes sociais.

Polêmica postagem de Caio Fabio
Polêmica postagem de Caio Fabio

Caio Fábio se diz cristão não institucionalizado, ou seja, não ligado ao universo evangélico brasileiro. E  é também escritor e psicanalista clínico, liderando a partir de Brasília-DF, o movimento intitulado Caminho da Graça.

E vários nomes conhecidos se mostram simpatizantes do seu jeito direto e contestador de anunciar o evangelho. Dentre esses, o  cantor gospel e pastor Kléber Lucas, o humorista Marrom e a candidata da Rede nas últimas eleições presidenciais Marina Silva.

O atual presidente Jair Bolsonaro, capitão reformado das forças armadas, fez desse tema (porte de armas) algo central em sua campanha vitoriosa rumo ao palácio do planalto. E já acena que vai cumprir a promessa de campanha e facilitar o uso das armas de fogo pelo cidadão comum.

Mesmo antes do  início do ano de 2019 as ações na bolsa de valores da principal fábrica de armamento do Brasil, a Taurus Armas SA, já tinham sido valorizadas e subido consideravelmente diante dessa possibilidade.

O Brasil bateu o infeliz recorde histórico, com mais de 63 mil assassinatos registrados em 2017. A frieza dos números apontam 165 assassinatos por dia pelos estados brasileiros. São números comparados a uma guerra civil.

Agora mesmo no estado do Ceará, a Força de Segurança Nacional tenta colocar ordem no caos provocado por ataques repetidos e diários deflagrados desde o início do ano.

Continue lendo…